Sejam muito bem vindos ao ButtahBenzo Brasil. A sua primeira fonte de informações sobre as atrizes Ashley Benson e Shay Mitchell, mundialmente conhecidas por participarem da série de TV Americana Pretty Little Liars. Somos um site não-oficial feito de fã para fã, portanto não temos contato com elas, seus familiares e agentes. Todo o conteúdo, fotos, informações, vídeos e etc. pertencem ao site a não ser que seja informado ao contrário. Visite as categorias abaixo e divirta-se!
17.Maio
2021

Shay Mitchell é a capa do mês de junho da revista Women’s Health. A mesma concedeu uma entrevista onde fala sobre sua depressão pré e pós parto e como está sendo voltar a ter uma vida saudável. Confira a tradução completa:

No primeiro ano e meio de sua vida, a filha de Shay Mitchell, Atlas Noa Babel, aprendeu a engatinhar, andar, acenar, apontar para pássaros no céu, pegar pedras e oferecê-las de presente e comer espinafre do prato de seus pais. Demorou esse mesmo período – um ano e meio, durante o qual seu bebê mudou inúmeras vezes – para Shay finalmente se sentir como ela era antes da gravidez.

“Eu apertei o botão de pausa”, ela diz sobre a confluência de um recém-nascido, uma pandemia e uma vida sem viagens e atividades sociais. A atriz se sentiu sortuda por estar presente com seu parceiro, Matte, e Atlas, que tinha 5 meses quando a pandemia começou, mas ela também estava desmotivada. “Eu estava tipo,‘ Bem, para o que estou me preparando? ’” Diz ela, refletindo sobre o quão pouco ela se exercitou. Atlas não andava, então Shay passou muito tempo com ela no chão. “Tudo foi whoooomp”, diz ela, articulando o ritmo lento de tudo.

Em janeiro, uma parceria com a Openfit – na qual ela e sua amiga Stephanie Shepherd se comprometeram a malhar cinco dias por semana durante quatro semanas, por meio de aulas no aplicativo – a fez fazer um balanço. Parte do que a atraiu para a parceria foi que ela teria que tratar a malhação como um trabalho. Vinte dias de prestação de contas. “Mudou tudo”, diz a atriz de 34 anos sobre finalmente se sentir ela mesma novamente. “Eu tinha muito mais energia; Não tomo mais cinco xícaras de café. Posso soar enfadonho quando estou falando sobre isso, mas alterou totalmente o meu ano.” Mas então veio a Internet. Shay postou uma foto no Instagram, mostrando telas divididas de seu corpo antes e depois de se comprometer com o plano. Ela escreveu que se sentia mais “saudável, enérgica e envolvida”. Os comentários foram interrompidos. As pessoas alegaram que esta era apenas a mesma foto tirada de dois ângulos diferentes; que ela estava criticando as pessoas por estarem acima do peso; que ela não estava grata por seu corpo pós-bebê. Isso incomodava Shay, porque ela estava orgulhosa do trabalho que havia feito – e, em sua opinião, estava promovendo a saúde, não a vaidade. “Logo depois que eu tive Atlas, se eu fizesse um comentário sobre como não me sentia eu mesma, as pessoas pensavam, ‘Bem, você acabou de ter um bebê’. Sim, eu sei que acabei de ter um bebê”, diz ela incisivamente. “Sou muito grata por meu corpo e por ele ter dado vida, mas ainda posso expressar que não me sinto eu mesma.”

Shay lidou com depressão pré-parto enquanto carregava Atlas, e ser aberta ensinou-lhe que a honestidade sobre a maternidade é a única maneira. “Eu era forte antes de ter Atlas e queria me sentir assim depois”, diz Shay. “Nós celebramos nossos corpos antes de engravidar; celebramos nossos corpos com solavancos. Devemos também celebrar nossos corpos em qualquer ponto em que sentirmos o nosso melhor novamente.” A treinadora Kelsey Heenan conduziu Shay e Stephanie por uma mistura de treinamento cardiovascular e de força que mudava diariamente. Eles fizeram exercícios HIIT, EMOMs, agachamento de salto, braço e perna levantada. “Para mim, sempre foi sobre um levantamento terra”, diz Shay. “Levantar até 50kg foi uma grande sacada. Fiquei muito orgulhosa de mim mesma.” Ela agora pode fazer flexões e adicionou uma lista de alongamentos “transformadores” – spidermans, rotações torácicas, varreduras de braço – à sua rotina pós-treino. Ocasionalmente, ela complementa com pular corda ou caminhadas em Vancouver, onde passou grande parte do ano passado com seus pais e se beneficiando de creches 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Vancouver é onde eu a alcanço quando falamos sobre sua nova rotina de exercícios, mas também sobre o clima na casa de seus pais. No dia anterior, oito pessoas em Atlanta – seis delas mulheres asiáticas – morreram em um tiroteio. Shay, cuja mãe é filipina e pai branco, viu um pouco de sua própria experiência refletida na onda de racismo asiático-americano que assola os EUA. “É algo que minha mãe lidou durante toda a vida”, diz Shay. “Quando ela e meu pai estavam namorando nos anos 1980 em Toronto, o relacionamento deles era menosprezado. No ônibus com meu pai, ela recebia as piores aparências. Eles me contavam sobre entrar em um restaurante e as pessoas não os serviam. Eu também vi isso na vida real ”, ela continua. “Minha mãe recebia comentários depreciativos como,‘ Você é a faxineira? Você é a babá? ‘E ela disse,’ Não, mas qual é o seu problema se eu fosse? ” Shay também não foi poupada. “Na escola eu sofria bullying – eu recebia perguntas como,‘ Você vai limpar os banheiros? ’”É algo em que ela pensa de uma perspectiva diferente agora, quando tem uma criança mestiça. “Matte é meio branco – seu pai é de Trinidad. E Atlas é uma mistura de todos nós. Mas ela tem pele muito clara e olhos e cabelos claros, então ela não se parece com nenhum de nós”, diz Shay. “Estamos aprendendo como ter essas conversas apropriadas. Começa com as bonecas, com os brinquedos com que brinca e com os livros que lemos para ela, que têm todas as cores e etnias ”. 

Esses eram os tipos de discussões em que Shay não pensava quando estava grávida; mesmo depois de 18 meses, ela ainda tem momentos de descrença de que é a mãe de alguém. “Para ser honesta, acho que estava ligada à minha depressão pré-parto”, diz ela ao perceber que a vida que ela viveu seria deixada de lado … e que estava tudo bem. Sua doula disse a ela: “Uma nova versão de você vai nascer com este bebê.” Em outras palavras, “Sim, você vai perder algo, mas o que você ganha, obviamente, vale a pena.”As lutas pré-parto de Shay foram ajudadas em parte por conversar com amigos. “E então, é claro, vendo Atlas pela primeira vez, esqueci tudo”, diz ela. (Por “tudo”, ela está se referindo a lágrimas alimentadas por hormônios, fadiga e mãos tão inchadas que não fechavam.) “Momentos depois que ela nasceu, eu disse a Matte: ‘Ok, estou pronta para fazer isso de novo! ”

Por enquanto, porém, são apenas os três. E Shay continua a se concentrar em voltar a ser ela mesma, o que inclui nutrir seu corpo por meio de uma alimentação “saudável”. “Eu gostaria de poder dizer que tudo era quinoa, salmão e aspargos, mas não é”, diz ela. Ela começa o dia com água e limão, seguido da “quesadilla perfeita para o café da manhã” do TikTok: ovos, espinafre, queijo e azeite. Ela faz um lanche por volta das 11 da manhã; para os pais dela, é fruta – manga, toranja, morango. Para o almoço, ela toma sopa – algo com  frango e macarrão. Em seguida, haverá queijo e vegetais e uma taça de vinho por volta das 16 horas. Shay janta por volta das 6h30, geralmente um equilíbrio de amido e vegetais, como macarrão e vegetais, com salada. Para a sobremesa, são dois desses “biscoitos malucos de chocolate com caramelo da Costco” ou amêndoas com cobertura de chocolate.

como será a vida para Shay quando tudo se abrir de novo? Ela ficará feliz por estar perto de colegas de trabalho na vida real; para se encontrar com amigos para uma aula de ciclismo. Ela seguirá sua curiosidade, quer isso signifique fazer uma lista de lugares para mostrar a Atlas; supervisionando duas empresas que ela cofundou, Beis e Onda; ou dando voz a protagonista na adaptação da Netflix da história em quadrinhos filipina Trese. “As pessoas ficam tipo,‘ Por quê? ’E eu,‘ Bem, por que não? ’”, Ela diz sobre pular para uma variedade de projetos. “Olha, eu tenho uma vida para viver. Eu não quero dizer, ‘e se?’

Fonte: Women’s Health Magazine

Tradução: ButtahBenzo Brasil

02.mar
2021

Finalmente veio aí! Depois de anos sem estampar uma capa de revista, Ashley Benson é a capa do mês de abril da revista Cosmopolitan UK. Na entrevista, Ashley fala sobre sua carreira, como lida com fofocas e porque gosta de manter seus relacionamentos privados. Confira:

Pouco depois do fim de Pretty Little Liars, Ashley Benson tirou um ano de folga. Ela precisava desesperadamente de algum tempo. Tempo fora de Hollywood, do escrutínio que vem com a fama, mas acima de tudo, do trabalho. “Eu queria um descanso”, ela me disse por telefone de Los Angeles. É hora do almoço lá, e ela e seu namorado, o rapper G-Eazy, estão em casa depois de uma caminhada matinal.“Saindo de um programa depois de tanto tempo e fazendo TV continuamente durante toda a minha vida … Eu precisava fazer uma pausa mental.”

Não é nenhuma maravilha. Quando o episódio final do drama adolescente Pretty Little Liars foi ao ar em junho de 2017, Benson filmou 160 episódios em sete temporadas ao longo de sete anos. Ela estava exausta e decidiu se mudar para Nova York.

“Foi a melhor coisa que já fiz”, diz ela. “Eu não trabalhei por um ano e estudei diretores com quem queria trabalhar e olhei para atrizes que me inspiraram, que vieram da TV e fizeram isso no cinema. Comecei a compartimentar meus desejos e necessidades.” ”O intervalo fez maravilhas para a autoconfiança e permitiu que ela se concentrasse nas prioridades de sua carreira futura. Foi no mesmo ano que ela se tornou fundadora da empresa de óculos de sol Privé Revaux com Jamie Foxx e Hailee Steinfeld. Ela agora divide seu tempo entre LA e Nova York. Da mesma forma, ser forçada a desacelerar durante o lockdown durante o ano passado deu a ela outra dose de reflexão muito necessária. “Eu escrevi dois roteiros e estou prestes a começar a filmar um”, diz ela. “Isso é super gratificante.”

Este ano, ela também estrelará um novo filme, “The Birthday Cake”, com Ewan McGregor. “Tem sido interessante trabalhar em projetos nos quais normalmente não teria tempo para me concentrar.” Não é surpreendente que ela goste do tempo de inatividade. Benson, agora com 31 anos, tem trabalhado quase consistentemente na indústria desde os cinco anos de idade. Ela cresceu em Orange County – seu pai era dono de mercearias, enquanto sua mãe cuidava de Benson e de sua irmã Shaylene em casa. Benson começou a dançar profissionalmente quando ela tinha três anos (“sapateado e balé”, ela lembra), o que a levou a ser modelo em catálogos de dança, e aos sete anos ela foi contratada pela Ford Models. Logo ela estava conseguindo anúncios na TV e papéis menores em programas como The West Wing, e então aos 14, ela ganhou o papel de Abby Deveraux na novela Days Of Our Lives.Seus amigos da escola deveriam ter ficado maravilhados com seu sucesso. Em vez disso, Benson foi intimidada. “As crianças podem ser maldosas e ciumentas”, lembra ela. “Na época, não era legal estar na TV. Toda semana, eu estava trabalhando em comerciais e todas as crianças me viam. Fui intimidada e odiei. Mas fiquei muito orgulhosa e isso me deixou mais determinada a entrar em um programa de TV. Meus pais disseram que se eu fizesse isso, eu poderia ser educada em casa. Então tentei e tentei e tentei, e quando o fiz, foi o melhor dia da minha vida.”

Conseguir um papel em uma novela popular foi emocionante, especialmente para seus pais, que eram fãs ao longo da vida. “Naquele momento, minha mãe estava me levando para o set e foi engraçado  eu conhecer pessoas que ela cresceu assistindo. Eu não sabia quem eles eram!” Seu tempo na novela foi inestimável. “Você filma três episódios por dia. Era uma loucura ser lançado naquele ambiente quando jovem. Eu não estava preparado para isso. Pensei em fazer algumas tomadas aqui e ali, mas você só tem uma. Então, aprendi a memorizar minhas falas rapidamente. Fiquei completamente intimidada.”

Após três anos no programa, ela saiu para seguir outros projetos. Ela conseguiu vários papéis no cinema, bem como o papel de Mia no programa adolescente Eastwick. No dia em que ela descobriu que Eastwick não estava sendo renovada para uma segunda temporada em 2010, ela recebeu um telefonema dos produtores de Pretty Little Liars. “Eu não pensei nada sobre isso”, diz ela. “Fiquei um pouco chateada porque meu show foi cancelado. Mas então eu me encontrei com eles, e uma semana depois, eu estava no Canadá filmando o piloto. Achei que seria um show de sucesso, mas nunca se sabe. Então, para se tornar o que era, era uma loucura! ” Pretty Little Liars seguiu a vida de quatro alunas do ensino médio cuja amizade começa a desmoronar quando uma delas desaparece. Ganhou vários prêmios e lançou carreiras de nomes como Lucy Hale e Shay Mitchell. “Vejo isso como meus anos de faculdade”, diz Benson. “Estivemos juntos por sete anos e os vi mais do que minha própria família.” Ela ainda é amiga muito próxima de Mitchell e de sua outra co-estrela, Troian Bellisario, embora a pandemia tenha dificultado a convivência. “Todas nós vivemos perto uma da outra”, admite ela. “Minutos de distância. Então é muito engraçado. Quero vê-los, mas também preciso estar atenta agora, embora esteja fazendo o teste semanalmente [para COVID-19]. É um momento assustador para todos. Eu nunca conheci o bebê de Shay, e ela fica tipo, ‘Você tem que vê-la!’ Elas são como minhas irmãs e sempre serão.” Durante sua temporada de sete anos, Pretty Little Liars cobriu algumas histórias importantes, incluindo a personagem de Mitchell, Emily, que foi lançada, que foi altamente elogiada por sua autenticidade. Benson, que anteriormente teve um relacionamento com a modelo Cara Delevingne, diz que são histórias como essa que a deixam orgulhosa de ter participado da série. “Não tenho certeza de quantos programas tiveram isso antes do nosso”, diz ela. “[É importante], especialmente nos dias de hoje, ser apenas você mesmo e não se sentir julgado por como seu coração se sente e por quem você é como ser humano, e com quem sua alma se conecta. Eu certamente me sinto assim comigo mesma. É com quem eu me conecto. “Não se trata de gênero ou coisa parecida. E acho que isso é muito importante para as pessoas entenderem. Não há razão para alguém ser intimidado, falar sobre ou se desligar por quem ama. Acho que a aceitação agora é tudo, e quanto mais pudermos educar as pessoas sobre esses tópicos, melhor será para todos.”

Benson sempre foi extremamente reservada no que diz respeito à sua vida pessoal. Mas quando ela começou a namorar Delevingne em 2018 (eles se conheceram no set do filme Her Smell), seu relacionamento passou por muito escrutínio. Ela admite que às vezes acha a atenção difícil.O mais difícil de lidar são as “opiniões das pessoas”, diz ela. “Se a fofoca vier e as histórias forem completamente falsas, o que você pode fazer? Eu não vou sentar e ficar tipo, ‘Isso não é verdade, é isso que realmente está acontecendo’.”A parte mais chata é ter que sentar e ficar quieto enquanto todo mundo fala sobre você e você tem que lidar com isso. As pessoas podem dizer o que quiserem de mim, mas a menos que você me conheça, você realmente não sabe de nada .” Quando ela e G-Eazy – cujo nome verdadeiro é Gerald Earl Gillum – foram vistos juntos pela primeira vez no ano passado, ela recebeu uma reação no Instagram de fãs que a acusavam de trair Delevingne. Delevingne usou suas histórias no Instagram para defendê-la, dizendo: “Para todos que odeiam @ashleybenson, por favor, parem. Você não sabe a verdade, só ela e eu sabemos e é exatamente assim que deve ser. Benson permaneceu em silêncio. A atriz diz que é muito cuidadosa quando se trata do que ela compartilha sobre sua vida. “Normalmente, mantenho meus relacionamentos privados”, diz ela. “Você obviamente não pode esconder se vocês forem fotografados juntos. [Mas] é mais sagrado dessa forma. Esses momentos privados são para você e seu parceiro, e acho que é melhor não se expor demais, e você pode realmente proteger seu relacionamento se não o estiver expondo” No momento da impressão da revista, haviam relatos de que Benson e G-Eazy haviam se separado. Mas quando falamos com ela  eles ainda estavam juntos e ela fica feliz em se abrir um pouco. No ano passado, ela participou de sua faixa All TheThings You’re Searching. Eles também fizeram um cover de Creep do Radiohead. “Isso foi algo aleatório”, ela ri. “Temos feito muitas coisas juntos em quarentena. Quem sabe se algum dia será lançado ou não, mas já fizemos 30 músicas! Isso tem sido muito bom, porque quando você não tem para onde ir, é muito bom tirar algo disso”. “Ele me ensinou muito sobre música.” Ela passa muito tempo no estúdio assistindo ele. “Nós sempre conversamos sobre se vamos lançar algo ou não. Novamente, isso é muito bom para nós ter para nós mesmos.” Eles também têm encontros regulares à noite. “Fazemos pequenas noites de jazz – ouvindo jazz e fingindo que você está em um restaurante. Mas você não está, você está na mesa de jantar. Qualquer coisa para animar as coisas. Você encontra maneiras de torná-lo agradável.”

Mesmo durante o confinamento, Benson foi perseguida por paparazzi. Ela está acostumada a isso, mas é irritante. “Não posso sair de casa sem ser seguida todos os dias”, diz ela. “Não quero fotos e é irritante. É uma invasão completa de privacidade. Em Nova York, caminho para pegar meu café e pegar o metrô. Eu nunca sou incomodada. Se eu vir alguns fotógrafos, eles são tão legais que eu simplesmente lhes darei um polegar para baixo e eles vão me deixar em paz. Considerando que aqui [em LA], eles vão assediá-lo e continuar a segui-lo até que você sofra um acidente de carro. Tenho muita sorte de poder comprar uma casa [em Nova York] e morar em ambos os lados. Quando eu enjoo de Nova York, vou para Los Angeles e vice-versa.”

Benson tenta não deixar que a atenção chegue até ela. Ela vê um terapeuta regularmente para ficar por dentro de sua saúde mental. “Terapia é boa. Eu acredito muito nisso. É sempre bom conversar com alguém sobre qualquer coisa com que você esteja lidando, seja positivo ou negativo.” É bom conversar com terceiros sobre o que está acontecendo na minha vida.” Manter um pequeno grupo de amigos também foi fundamental. “Preciso estar cercada de pessoas positivas. Tenho um grupo central incrível. Essa é a melhor coisa que saiu da quarentena, ter essa base sólida de amigos que me protegem, . É muito bom ter esse apoio para todos nós.

Desde que terminou Pretty Little Liars, o foco de Benson tem sido filmes independentes, como Her Smell, que é onde está sua paixão. Foi sua co-estrela, Elisabeth Moss, que lhe deu o papel no filme depois de um encontro casual. “Conheci Elisabeth em Cannes em um jantar de aniversário e ela estava me contando que era fã de Pretty Little Liars e Spring Breakers [o filme policial de 2012 que Benson estrelou com James Franco e Selena Gomez].“Eu acho que ela é incrível”, diz Benson. “Nós começamos a conversar. Ela estava tipo, ‘O que você quer fazer depois de terminar Pretty Little Liars? Quando eu estava em Mad Men, eu não sabia.’ muitos conselhos sobre como quebrar o molde de permanecer na mesma pista, agindo com sabedoria, assumindo riscos e dizendo não para a maioria das coisas. Então, nós realmente nos fortalecemos nisso.” Moss então convidou Benson para fazer parte do filme. “Eu estava tipo,‘ OK, nunca mais terei notícias dela ’. Estava filmando Her Smell um ano depois”.

Ter seu negócio, Privé Revaux,  permitiu que Benson fosse seletiva sobre o que ela faz. Em 2019, a empresa registrou vendas líquidas de cerca de £ 14 milhões e continua a crescer. “Eu sempre me vejo atuando com certeza e produzindo”, diz Benson.“[Mas] eu sempre quero ter empresas diferentes sob meu currículo, porque se eu puder ganhar dinheiro com isso, então posso fazer os filmes independentes que eu gosto.” Moss não é a única atriz de Hollywood que foi fundamental na carreira de Benson. Antes de falarmos, noto que Jennifer Aniston curtiu quase todas as postagens de Benson no Instagram. Ela ri: “É tão engraçado! Nós conversamos, tentamos jantar desde antes da pandemia. Temos muitos amigos em comum e conversamos aqui e ali”. Ela se apóia em gente como Aniston para obter conselhos? “Reese Witherspoon, e ela, e diferentes pessoas que eu conheci – não somos melhores amigas, [mas] nos vemos em eventos”, diz ela.“Só de ver como elas se comportaram e como são normais na indústria desde que eram jovens – as duas são tão graciosas, calorosas e acolhedoras, e é sempre bom vê-las. Eu as procuro muito.” Portanto, considerando o quão seletiva Benson é sobre quais projetos ela assume atualmente, eu me pergunto o que é necessário para despertar seu interesse no trabalho. “Adoro ser desafiada”, diz ela. “Se eu sentar minha bunda e escolher coisas que eu poderia fazer com meus olhos fechados, não é satisfatório para mim.” Com dois de seus próprios filmes em andamento e música potencialmente a caminho, para não mencionar seu lado empreendedora, ninguém pode acusá-la de sentar sua bunda, com certeza.

Fonte: Cosmopolitan UK

Tradução: ButtahBenzo Brasil

 

 

27.nov
2020

Ashley Benson concedeu uma nova entrevista para a revista Vanity Fair da Itália. Confira a tradução completa:

2020 é provavelmente o ano de dizer adeus, de uma vez por todas, ao clichê de loira californiana. Ashley Benson, uma das protagonistas de Pretty Little Liars, não nega a importância da beleza, já que todos andam por aí com smartphones com câmeras acopladas. No entanto, ele acredita que o compromisso social conta muito mais hoje. É fácil imaginar que, com 21 milhões de seguidores no Instagram, muitas pessoas querem segui-la, mas Ashley não se concentra apenas em seus looks incríveis, mas regularmente posta conteúdo sobre a eleição presidencial e o movimento Black Lives Matter.

Ashley, 30, tem muitos planos empolgantes para o futuro, incluindo dar mais espaço para atuar, mas também para escrever e cantar. Nunca julgue um livro pela capa.

O que você acha do lockdown “suave” que estamos vivenciando nesta segunda onda de pandemia?

É um período muito estranho e difícil para qualquer pessoa, feito de subidas e descidas contínuas. Tento me manter ocupada o máximo que posso. No domingo passado, peguei meu primeiro voo desde o início da pandemia e fui para Nova York. Obviamente, há menos movimento lá, mas todas as atividades, como restaurantes, por exemplo,estão funcionando. Isso me lembra muito a atmosfera de Paris, uma cidade que amo. Nova York parece um pouco mais animada do que Los Angeles.

Ao contrário de muitas atrizes, que se mudaram para L.A. para trabalhar, ela cresceu nesta cidade.

Sim e eu adoro: é um lugar extraordinário que oferece inúmeras oportunidades. Quem vem de uma pequena cidade para cá sofre um verdadeiro choque cultural. Acho que muitas pessoas ficam com medo no início, mas depois acabam amando.

Como surgiu o seu interesse em atuar?

Quando criança, memorizava cada linha dos filmes e gostava de interpretar vários personagens. Desde menina eu sabia que queria atuar: o que eu não sabia era como encontrar um agente ou como funcionava o mundo do show business. Tudo começou como modelo. Como sempre, uma coisa levou à outra e comecei a fazer anúncios. Eu adorei, adoro estar no set. Demorou muito para conseguir aparecer em uma série de televisão. Tem sido uma jornada incrível e também muito exigente. Uma experiência cheia de decepções e rejeições. Começando muito jovem, tive que aprender desde cedo a lidar com o “não”. É um mundo difícil. Tento não ser excessivamente sensível porque corre o risco de  ficar muito ferida.

Você desenvolveu um método para gerenciar decepções?

Sim, eu chorei muito! Mas quanto mais você trabalha neste mundo, mais você se acostuma. Quando jovem, quando estava atuando em uma novela, eu era a mais nova e tive que crescer muito rápido. Meus amigos tinham cerca de vinte ou trinta anos e eu recebia muitos conselhos deles. Eles me ajudaram, eles foram um guia. Queria tanto atingir meu objetivo que não podia me dar ao luxo de pensar: “Chega, deixo tudo e vou”. Isso me levou a trabalhar ainda mais duro para provar a mim mesma que eu poderia fazer isso 

Alguns anos depois, quais são suas impressões sobre Pretty Little Liars?

Não frequentei o ensino médio ou a universidade, então ficar com as mesmas pessoas por sete anos foi um pouco como ir à escola para mim. Quando comecei a trabalhar nesta série, não pensei que fosse durar tanto e ninguém imaginava o quão popular ela se tornaria: cresceu de repente. Foi uma experiência extraordinária e me ensinou muito. Tive a oportunidade de fazer amizades maravilhosas entre o staff, o elenco e a produção e no final nos tornamos uma grande família: filmamos dez meses por ano, durante sete anos. De certa forma, a tripulação teve que se tornar minha família porque eu não podia ver a minha. Cada um de nós também esteve presente para os outros e, mesmo que tenha sido uma experiência cansativa, por vezes exaustiva, estou grata de ter vivido isso 

Você sente o mesmo por Spring Breakers, o culto considerado por muitos como o estilo de vida dos jovens no início dos anos 2000? Nesse filme, você interpreta uma aluna desinibida que vira criminosa: foi uma operação protofeminista ou uma tentativa de explorar a imagem dela?

“Sempre adorei os trabalhos de Harmony (Korine, org). Ele é um diretor muito interessante e não tem medo de ultrapassar os limites. Quando fiz esse filme, eu tinha 21 anos e estava na segunda temporada de Pretty Little Liars. A história me atraiu porque representou um grande desafio. Algumas pessoas dizem que nós, atrizes, fomos exploradas, não vejo dessa forma. Selena Gomez era da Disney, eu de um programa para adolescentes. Foi uma grande oportunidade para nos mostrarmos de maneiras diferentes das que as pessoas costumavam ver. Esta experiência mudou a minha vida, mudou a forma como vejo filmes, revolucionou o meu ponto de vista sobre os projetos que pretendo realizar

Você acha que Hollywood fez progressos para as mulheres?

Acho que houve uma grande evolução. Inicialmente, não conseguimos papéis principais – éramos simplesmente atrizes desempenhando papéis menores ao lado de homens. Agora, muitas mulheres estão no comando do cinema e nossas vozes são mais ouvidas. Alguns projetos são desenvolvidos por equipes inteiramente femininas e temos cada vez mais oportunidades, tanto como diretoras quanto como atrizes. Tenho a sensação de que nosso valor finalmente foi reconhecido. É muito emocionante

Her Smell foi outro filme bem recebido. Ela sempre foi apaixonada por música e aqui ela toca um punk rocker!

Alex Perry é um realizador extraordinário. Sem contar que durante muito tempo fui fã de Elisabeth Moss (a protagonista) ela passou, com muita facilidade, de uma série como Mad Men para o cinema… e agora ela está de volta à TV. Ela trabalha como atriz e produtora e é muito boa nos dois. Nos conhecemos em um jantar em Cannes e lá descobri que ela também me respeitava: eu não podia acreditar, fiquei até surpresa que ela soubesse quem eu era. Ela e eu fomos fundo, imediatamente. Quando eu a conheci, eu tinha acabado de filmar Pretty Little Liars e eu queria muito pular na minha carreira para não ser pega no clichê da “bela loira”. Consegui, também graças a Elisabeth. Foi ela quem me entregou o roteiro de Her Smell e garantiu que eu conhecesse Alex, o diretor. Eu o conheci em Nova York, nos demos bem imediatamente e eu consegui o papel. Trabalhar e estudar com Lizzy Moss, que acredito ser uma das atrizes mais talentosas do mundo, foi simplesmente incrível. Esta experiência foi como uma escola de atuação por um mês e meio.

Seu último filme, “The Birthday Cake”, está para ser lançado, estrelando ao lado de atores extraordinários como Ewan McGregor e Val Kilmer.

Eu me diverti muito desde que li o roteiro: extraordinário, muito sombrio. Filmamos em Nova York e o diretor, Jimmy (Giannopoulos), é meu amigo há muito tempo.  fazer um filme com Val Kilmer é incrível!

Que papel você desempenha?

Uma nova-iorquina meio maluca, uma espécie de festeira.

Quais são seus planos para o futuro?

Durante o lockdown, Jimmy, o diretor de “The Birthday Cake”, e eu escrevemos dois filmes. Vou começar a filmar na próxima semana. Vai ser maravilhoso voltar ao trabalho, eu queria tanto! Ficar parado não era a melhor coisa…

Onde você vai filmar?

Los Angeles

As eleições acabam de ser realizadas nos Estados Unidos. Como você diria a atmosfera que respira para alguém que mora em outro país?

Tem sido um período muito estressante para nós. Antes do final da contagem, fomos envolvidos por uma grande incerteza. Todo mundo tem suas próprias visões políticas e acho que isso deve ser aceito, mas realmente precisávamos de uma mudança. Foi bom ver que, no final das contas, os americanos se uniram para a vitória da pessoa certa. A sexta-feira que deu a notícia foi um dia de festa! Quando acordei, senti um grande alívio. Nosso país vive um momento emocionante e tenho a impressão de que um futuro glorioso nos espera.

Você tem 21 milhões de seguidores no Instagram. Quanta importância você dá às redes sociais?

Eu amo e odeio. Na época de Pretty Little Liars, eu tinha que estar muito presente no Instagram. Tive que postar conteúdo e, até certo ponto, tornar minha vida pública. Sim, mas não gostei. Agora estou tentando usar meu perfil para abordar certos tópicos. Falei muito sobre as eleições e também de Black Lives Matter. Procuro fornecer informações corretas e, ao mesmo tempo, aprendo muito com as pessoas que sigo. O meu objetivo é acima de tudo dar a conhecer meus objetivos e dar a minha opinião sobre alguns assuntos, só isso. Tem uma equipe que cuida disso pra mim. A mídia social pode engolfar você: eu me pego olhando para o meu telefone e checando o Instagram dia e noite, sem motivo. Especialmente agora, com aplicativos como o Facetune, que permitem que as pessoas mudem sua aparência online, as pessoas muitas vezes se sentem inadequadas e inseguras. Garanto que isso não aconteça e nas redes sociais também falo sobre isso. Muitas mulheres ficam desanimadas porque não são perfeitas ou porque não são magras o suficiente. Com a cirurgia plástica, as pessoas estão se transformando no que veem nas redes sociais e, especialmente em Los Angeles, estão todas começando a ficarem iguais! Sempre digo às mulheres: “Você é perfeita na sua singularidade”. Até as capas das revistas estão sempre retocadas, não representam o cotidiano. Em vez disso, devemos amar nossas imperfeições. É difícil para qualquer um: eu também tenho muitas inseguranças com as quais tenho que lidar e há momentos em que me sinto muito mal. Nesses casos, faço uma pausa nas redes sociais, é bom para o meu espírito.

Como você definiria o seu estilo?

Varia muito. Embora eu sempre me vista de preto e sempre casual. Eu diria que tenho um estilo mais nova-iorquino do que californiano. Não gosto muito de saltos porque os acho desconfortáveis. Por outro lado, adoro pele. O look ideal para mim é totalmente preto: bota, calça e jaqueta de couro. Aí também gosto de vestidos leves, mas sempre os uso com uma jaqueta de couro por cima. Eu uso mesmo quando está 32 graus lá fora.

Ela trabalhou em canções de outros artistas. Você já pensou em lançar seu próprio álbum?

É uma possibilidade que estou considerando. Estranhamente, durante o lockdown, explorei muito mais esse aspecto. Atuar continua sendo minha prioridade, mas estou pensando nisso há um tempo. Gravei algumas músicas, só por diversão. Foi algo que me salvou! Senti que estava crescendo e explorando um caminho que ainda não havia percorrido. Também era uma forma de me manter ocupada. Sinto que provavelmente vou entrar no mundo da música, mas acho que vou começar com um filme: não me sentiria confortável a começar com um álbum.

Em breve veremos você protagonista em um musical?

Bem, eu gostaria muito.

 

Fonte: Vanity Fair Italia

Tradução: ButtahBenzo Brasil

13.nov
2020

Ashley Benson e Hilary Duff participaram do programa da atriz Sarah HylandLady Parts‘ no canal “The Ellen Show” e falaram sobre os principais marcos da puberdade e primeira menstruação. A conversa também incluiu a Dra. Sherry Ross, obstetra/ ginecologista, e discutiram sobre como lidar com a puberdade, menstruação desestigmatizante e educação sexual.

Ashley disse se lembrar de que sua primeira menstruação foi aos 14 anos durante uma aula de dança. “De repente, eu senti como se estivesse, não sei, me urinando ou algo assim. E, eu corri para o banheiro, e, eu olhei e havia sangue por toda parte. Eu acho que é um pouco tarde, mas talvez seja normal, não tenho certeza! Mas fiquei completamente vermelha. Eu estava tão envergonhada.”

Confira a entrevista completa:

 

05.set
2020

Ashley Benson foi a convidada especial do Podcast ‘Whiskey Ginger‘ essa semana. O podcast é apresentado por Andrew Santino onde o mesmo bate um papo com o convidado enquanto bebem Whiskey. Ashley falou sobre suas experiências com maconha, músicas que está gravando durante a quarentena, sua paixão por Nova York, casamento e outros assuntos. Confira o vídeo completo da participação de Ashley:

19.ago
2020

Ashley Benson conversou com o Buzzfeed em uma ligação via zoom e respondeu a 27 perguntas deles. Confira:

 

Na semana passada, Ashley atendeu a uma ligação via Zoom conosco para falar sobre tudo, desde suas atuais obsessões de quarentena e histórias de fãs mais loucas, até sua nova colaboração com Matt Bomer e Privé Revaux. Aqui está tudo o que ela compartilhou:

1 – Primeiro, se alguém pudesse interpretá-la em um filme, quem você escolheria?

Estou obcecada por Scarlett Johansson. Nós meio que parecemos.

2- Quais programas de TV / filmes você está obcecada agora?

Não tenho assistido muito à TV, estranhamente. Mas comecei a assistir American Pickle. É muito interessante. Sou uma grande fã de Seth Rogen. Mas sim, comecei isso ontem à noite e é muito bom!

3. Qual emoji você mais usa?

Estranhamente, agora estou usando aquele pequeno dinossauro para tudo. Não sei por que, mas essa é a minha vibe.

 4. Qual é a sua história de fã mais selvagem?

Então, eu estava em um spa coreano – eu já disse isso antes, mas tipo, é tão louco que isso aconteceu. Mas eu estava em um spa coreano e estava no chuveiro. E obviamente, tipo, todo mundo está completamente nu. Essa garota entrou na minha barraca e estava me fazendo perguntas como: “Quem é A? Quem é essa?” tanto faz. E eu disse, “Uau, estou literalmente nua.” Ela entrou totalmente no meu chuveiro e estava conversando. Eu estava apenas me cobrindo de vergonha e pensando, “O que está acontecendo?” Então ela estava pedindo fotos. Eu estava tipo, “Isso é loucura. Oh meu Deus.”

5. Diga o nome de uma celebridade com quem você gostaria de estrelar um projeto.

Meryl Streep.

 6. Quem é a sua celebridade crush no momento?

Shia LaBeouf é na verdade minha paixão. Estou obcecada por ele. Quando comprei Disney +, estava obcecada por Even Stevens e todos os filmes que ele fez. Honey Boy é um dos meus favoritos que já vi. Eu só acho ele tão interessante e talentoso. Há algo muito sexy nele.

 7. Cite um item de beleza sem o qual você não pode viver.

Gel para sobrancelhas.

8. Como é para você um dia normal de quarentena?

Acordar, fazer o café da manhã, tentar malhar – o que tem sido difícil porque simplesmente não estou motivada. Tenho feito muita música e tenho escrito muito. Então, todos os dias costumo me reunir com meus parceiros produtores e escrevo durante o dia. Tento me manter o mais ocupada possível.

9. Você adquiriu algum novo passatempo de quarentena?

Estou tentando aprender a tocar piano … não muito bem. E então, gravar música, o que tem sido muito divertido. 

10. Quando você entra em um bar, qual é a sua bebida preferida?

Provavelmente um Casamigos com suco de toranja.

11. Cite algo de sua lista de desejos.

Acho que uma viagem pelo sul da França seria muito divertido.

12. Que música sempre te deixa de bom humor, mesmo nos seus piores dias?

Qualquer uma da Rihanna. Ela sempre me deixa de bom humor.

13. Qual é o papel de parede atual do seu telefone?

Uma foto minha com meu namorado.

14. Você tem prazeres culpados?

Reality TV. qualquer Real Housewives – New York, Beverly Hills ou Orange County são meus favoritos. É muito divertido colocá-lo em segundo plano e apenas rir.

15. Qual é a sua comida reconfortante favorita?

Gosto de tudo, mas italiana ou mexicana é sempre bom. Ou um cheeseburger.

16. Qual foi a maior surpresa que você já teve?

Sou um grande fã de Mary-Kate e Ashley. Já as conheci, mas toda vez que as vejo, simplesmente não sei o que fazer. Eu os amo muito, elas são incríveis.

17. Você era um grande fã dos filmes delas enquanto crescia?

Oh meu Deus, eu conheço cada frase de todos. Mesmo sendo antigo, o Passaporte para Paris é simplesmente clássico e perfeito. Naquela época, eu nunca tinha estado na Europa, mas eu estava tipo, “Eu quero fazer tudo o que elas estão fazendo em Paris.” Eu me vestia como elas. Acho que foi um dos meus favoritos.

18. Qual é o seu maior medo?

Aranhas. Se eu vejo uma fico apavorada.

19. Qual foi o último livro que você leu?

Post Office do Charles Bukowski.

 20. Qual foi a última receita que você preparou?

Acho que a última coisa foi frango ao parmesão. Tenho feito muitos pratos com frango ultimamente.

 21. Qual é o filme para o qual você fez teste que as pessoas ficariam surpresas?

Cinquenta Tons de Cinza.

22. Qual é a sua lembrança inicial favorita de Pretty Little Liars?

Sinto muita falta de Tyler [Blackburn]. Sinto falta de todos. Mas, Tyler e eu nos divertimos muito juntos no set. Só amanhecer fazendo cenas íntimas ou ter que chorar às sete da manhã e ser capaz de rir e fazer piadas com Tyler sempre foi super divertido.

23. Descreva seu estilo em três palavras.

Casual, clássico e principalmente tudo é preto.

 24. Se você pudesse trocar de armário com uma celebridade, quem seria?

As gêmeas Olsen.

25.O que você mais gosta no seu trabalho?

Ser capaz de mergulhar em um personagem diferente e ser outra pessoa, você sabe, por alguns meses.

26. Qual é o seu look de tapete vermelho favorito que você já usou?

Eu fui a uma festa do Globo de Ouro em janeiro e usei um lindo conjunto de duas peças em prata cintilante e rosa. Estava muito fora da minha zona de conforto, mas parecia incrível e fiquei muito feliz que minha estilista Jacqueline me incentivou a fazer algo que não fosse preto. Foi um visual muito legal.

27. E, finalmente, qual foi o melhor conselho que você já recebeu?

Isso é tão clichê, mas obviamente, essa indústria não está aqui nem ali. Você nunca sabe realmente o que vai acontecer. Portanto, não deixe o “não” afetar você e nunca desista. Eu sei que é clichê, mas é bom.

Fonte: Funny List

Tradução: ButtahBenzo Brasil

17.ago
2020

Shay Mitchell foi a convida especial do Podcast ‘Pretty Little Wine Moms’ recentemente. O Podcast é apresentado pelas atrizes Holly Combs Ryan, Lesley Fera e Nia Peeples, todas fizeram papeis de mães em Pretty Little Liars. No podcast elas conversaram sobre diversos assuntos como maternidade, PLL e Shay também respondeu algumas perguntas enviadas pelos fãs. Clique no link abaixo e escute:

https://msha.ke/plwmpodcast/

12.ago
2020

Shay Mitchell compartilhou recentemente com a revista Shape algumas dicas de beleza. Confira:

Apesar do estado do mundo, a atriz e nova mãe Shay Mitchell consegue encontrar a luz – e essa luz vem na forma de sua adorável filha, Atlas, que celebrará seu primeiro aniversário neste outono. “Focar minha energia nela é bom”, diz Mitchell. “Tudo é tão novo e emocionante para ela, e é inspirador ver as coisas através de seus olhos.” Isso não significa que ela está ignorando a realidade da pandemia de coronavírus. Na verdade, isso a motivou a começar a ensinar hábitos saudáveis ​​à filha ainda jovem. “Atlas coloca tudo na boca, então estamos começando uma rotina frequente de lavar as mãos”, diz ela. “Cantamos a música ‘Parabéns pra você’ enquanto nos lavamos para garantir uma limpeza completa.”

Mesmo antes da pandemia, Mitchell era especialista em lavar as mãos. “Sempre lavo as mãos antes de sair de casa, depois de sair de casa e quando chego em casa”, diz ela. “É a primeira coisa que faço e faço com que todos façam também”. E agora Mitchell está fazendo parceria com a marca de higiene Safeguard, que está doando US $ 10 milhões a organizações como a Save the Children para promover a lavagem das mãos e distribuir produtos gratuitos para crianças em comunidades carentes. O sabonete líquido de limpeza profunda micelar da marca um item essencial em seu banheiro.

Mitchell diz que tem a chance de se concentrar em si mesma quando a filha adormece. Ela mudou sua esteira para a sala de estar para que pudesse ficar de olho em Atlas enquanto ela corria. (Observe-a também em um treino de corpo inteiro com a treinadora Kira Stokes na pré-pandemia.) Ela também faz muitos de seus treinos ao longo do FaceTime com seus melhores amigos ou com sua avó em Vancouver, British Columbia (sua cidade natal), que não pôde se exercitar em seu centro de idosos.“Aprendi a fazer excelentes exercícios na cadeira usando latas de sopa como peso”, diz ela. (Pode ficar mais bonito do que isso ?!)

Para relaxar, Mitchell diz que adora assistir Queer Eye e se concentrar em sua rotina de beleza. “Cuidar da minha pele é algo que aprendi com minha mãe. Ela sempre destacou a importância da hidratação e do uso de protetor solar ”, explica. Agora, ela usa protetor solar todos os dias, faça chuva ou faça sol. (E, sim, você deve usar protetor solar mesmo se estiver dentro de casa.) Quando ela tem um pouco mais de tempo livre, Mitchell diz que adora misturar tratamentos de beleza ‘Faça você mesmo’. “Sou uma grande fã de óleo de coco”, acrescenta ela. “Eu o uso como máscara para o cabelo e, se tiver pó de café, vou misturá-lo para fazer um esfoliante facial.” (Ela está no caminho certo – óleo de coco é incrível para hidratar e proteger o cabelo. Quando ela sai de casa, ela nunca fica sem fragrância. “Eu sempre borrifo um pouco antes de sair”, diz ela. “Gosto de mudar o cheiro com base no meu humor para me dar um impulso de confiança.”

Fonte: Shape Magazine

Tradução e Adaptação: ButtahBenzo Brasil

19.jun
2020

Shay Mitchell concedeu uma entrevista virtual ao site ET (Entertainment Tonight) onde falou sobre a recente reunião do elenco de Pretty Little Liars em uma live que arrecadou fundos para o Feeding America. Confira a tradução:

Shay Mitchell é grata por seus companheiros de elenco de Pretty Little Liars! Katie Krause, do ET, falou com a atriz de 33 anos via Zoom e ela comentou sobre sua recente reunião virtual com Troian Bellisario, Sasha Pieterse, Lucy Hale, Ashley Benson e mais, que arrecadaram dinheiro para caridade. “Estou muito grata por me conectar com eles”, disse Mitchell. “E realmente quem sabe, talvez se não tivesse tido uma reunião virtual, talvez não pudéssemos nos reunir todos ao mesmo tempo. Estou realmente agradecida por termos conseguido nos conectar, mesmo que não fosse pessoalmente.”

“Acho que tivemos cerca de uma hora antes da live, onde conversamos, o que foi muito legal. Foi ótimo”, continuou ela. “Eu vejo Troian com bastante frequência, por isso é sempre bom, mas para outras pessoas não vejo que seja realmente muito especial poder conectar-me novamente.”

Uma coisa que o elenco foi capaz de discutir antes de entrarem ao vivo para a reunião foi a recente notícia de Pieterse de que ela estava esperando seu primeiro filho com o marido, Hudson Sheaffer.

“Oh Deus, eu estou tão animada. Estou tão animada por ela”, disse Mitchell. “… Conseguimos dizer nossos parabéns e perguntar a ela como tem sido. Estou tão animada. Ela vai ser tão maravilhosa, tanto ela quanto o marido. Obviamente, estou aqui se ela precisar de alguma coisa, uma fralda. bolsa, vou mandá-la minha. Este é o momento mais emocionante, sabe? Estou tão feliz por ela.”

A própria Mitchell deu as boas-vindas a uma filha, Atlas, no ano passado, enquanto Bellisario é mãe de Aurora, de 1 ano de idade.

“Estou sempre tão curiosa porque as pessoas sempre pensam: ‘Vocês planejam nomear seus filhos com a  inicial ‘A’?'”, Brincou Mitchell, referindo-se ao apelido do vilão da PLL. “Talvez Sasha siga. Não foi algo planejado, mas que coincidência.” Quanto à possibilidade de o reencontro na vida real levar ao retorno dos personagens de Pretty Little Liars em um filme, Mitchell diz “nunca diga nunca. Se isso acontecesse, eu pularia a bordo com certeza. Absolutamente”.

Independentemente de um retorno aos personagens, Mitchell tem boas lembranças de seu tempo no set da série. “A primeira coisa que me lembro sobre o nosso primeiro dia de filmagem foi os cabelos rosa de Lucy, porque essa foi a primeira cena. Lembro-me daquela roupa que eu usava, eu posso ou não ter gostado”, ela lembrou. “Lembro-me de filmar e foi em Vancouver, então fiquei muito agradecida porque, de fato, era a única maneira de fazer parte do programa. Meus papeis ainda não haviam chegado e eu sou canadense, e então tudo deu certo”.

 Mitchell até se certificou de dar alguns de seus amigos da vida real e segredos especiais da família durante seu tempo interpretando Emily Fields. “Eu escondia mensagens e coisas diferentes no meu armário. Um dos apelidos da minha tia era Amendoim, imprimi um Amendoim e o coloquei no meu armário. Pensei que seria engraçado, porque ela veria e ficaria tipo ‘Eu vi!’ “Ela confessou. “[Eu fiz] pequenas coisas assim para as pessoas que estavam assistindo. [Eu colocaria] uma foto da minha melhor amiga e era uma foto real e ela ficaria tipo ‘Você me colocou no show?'” “Então pequenas coisas assim eram fofas e divertidas de se olhar”, acrescentou

Assista ao vídeo abaixo:


 

 

20.fev
2020

Shay Mitchell é a capa do mês de março da revista Cosmopolitan da Espanha! Confira a entrevista completa e traduzida da Shay para a revista:

 

Depois de alguns meses de licença-maternidade, você voltou em grande estilo, como a embaixadora da “Yes I’am” da Cacharel …

Sim, e este projeto também me deixa muito feliz porque a campanha fala sobre as mulheres da nossa geração: somos fortes, estamos interessadas ​​em diferentes facetas, temos a capacidade de interpretar diferentes papéis ao mesmo tempo… e precisamente os três perfumes ‘Yes I Am ‘se adapta a cada um deles.

 Você é atriz, influenciadora e tem sua própria marca de acessórios, Béis. Existe algo que Shay Mitchell não consiga? 

Não! Prefiro acreditar que posso fazer/ser qualquer coisa. Apesar do que diz o ditado, para mim o céu não é o limite. Se você gosta de algo e tem paixão, pode obtê-lo. Ou pelo menos pensar assim me ajuda a ficar motivada.

De todas essas facetas profissionais, com qual você se sente mais confortável? 

Parece ideal combinar tudo: por um lado, atue e interprete os personagens; por outro lado, trabalhe com casas de moda e beleza para conhecer a parte criativa e, finalmente, ter minha própria assinatura com a qual aprendo todos os dias coisas diferentes da minha profissão.

A interpretação não dá muita estabilidade. A fundação de sua marca foi uma maneira de encontrar essa segurança?

Sim definitivamente. Agora não vivo todos os dias esperando uma ligação que confirme um papel para mim em uma série. E, embora gerenciar um negócio seja totalmente diferente do que estou acostumada a fazer, ele também tem muitas coisas em comum: se para interpretar tenho que preparar funções diferentes, na minha empresa tenho que estudar e aprender a me comunicar com outras pessoas sobre tópicos como inventário, logística ou plano de marketing.

É difícil liderar outras pessoas?

Sim, porque não tenho um roteiro que me diga como agir, mas aprendo e resolvo todas as dúvidas que surgirem. Mas, ao mesmo tempo, é algo que eu aprecio muito. Ser capaz de tornar tudo compatível me ajuda a quebrar a rotina, não me queimar e encontrar a parte divertida.

Em sua última entrevista para o COSMO, há quatro anos, você disse que estava atraído por tudo que fazia você morrer de medo. Você ainda está pensando o mesmo?

Sim, e de fato estou em um momento como esse agora. Acabei de embarcar em algo que não sei o que esperar (maternidade). Eu gosto de fazer coisas que me assustam, porque é assim que eu cresço como pessoa, mas não sou a primeira nem a última mulher a ter um filho, então vou saber como fazê-lo da maneira certa.

Você também disse que quando era pequena, sua casa era um lugar seguro para conversar sobre sexo. Deseja replicar isso com sua filha Atlas?

Eu adoraria educá-la para ser forte e independente, saber que ela pode fazer o que quer e ser a pessoa que quer, sem limites. Quero transformar minha casa em um espaço livre, onde ela se sinta confortável o suficiente para falar comigo e me dizer o que precisa. Eu tive esse tipo de relacionamento com meus pais e alcançar uma comunicação aberta me parece o melhor.

Você tem 27 milhões de seguidores no Instagram. Como esse sucesso é gerenciado nas redes? 

 Tento não pensar nisso: vivo minha vida e, se algo me parece importante, publico-o. Mas, no final, as redes sociais são o que são e você não precisa fazer nada que não seja orgânico e natural para você. Não ensine algo que você não é, porque no final  perceberão que é falso. Os ‘seguidores’ pedem autenticidade. 

Você segue alguma estratégia?

Coloquei mais fotos pausadas, mas também gosto de compartilhar a realidade, por isso tenho um canal no YouTube. Essa é a minha regra: se você publicar um monte de conteúdo bonito ou idílico, faça o upload da mesma porcentagem de coisas reais. Nem tudo é arco-íris e quanto mais transparente você for, melhor, para que as pessoas não tenham uma falsa percepção do que é sua vida.

Estamos tão acostumados a essa perfeição que ninguém esperava que você mostrasse seu parto no YouTube.

Especialmente porque foi muito intenso! Mas estou feliz que sim. Muitas mulheres se sentem sozinhas e isoladas, portanto, quanto mais falamos sobre isso e mais compartilhamos nossas experiências, mais as que sofrem se sentirão vestidas.- Em todas as histórias de sucesso nas redes, há sempre uma parte negativa.

Você já experimentou ódio?  

Obviamente, quando você tem tantos olhos no que faz, não pode evitar opiniões. Mas o que realmente importa é o que você decide fazer com esses comentários. Pessoalmente, eu não ligo. Se sou feliz não tenho mais com o que me preocupar. Obviamente, tento prestar a mesma atenção aos comentários ruins e aos bons: se você apenas observar os elogios, sua mente irá para o lado errado e o mesmo vale para as críticas. Você pode ficar obcecado e não vale a pena.

Você foi criticada por ir ao aniversário do rapper Drake algumas semanas após o parto. Seu parceiro estava com você e ninguém disse nada a ele … 

Eles nunca censurariam um homem! Essa é a parte curiosa. Por isso, no final, decidi fazer as coisas que me fazem sentir bem. Muitas mulheres que acabaram de ter um bebê estão sob grande pressão para serem perfeitas, portanto, atacar ou tentar embaraçar alguém é injusto, e mais ainda quando apenas uma das partes é criticada. Mas mais uma vez, eu não ligo. Estou vivendo um momento muito especial e é isso. 

Seria normal isso afetar você …

Sim, e espero que as pessoas que sofrem com isso possam parecer de outra maneira como eu. Mas acho importante destacar essa questão e falar sobre o lado sombrio das redes sociais. Eles me atacaram mesmo quando estava grávida: julgaram o que eu comia ou bebia. Mas isso não importa, porque eu vou fazer o que eu quiser.

“YOU”, da Netflix, mostra o perigo de ter uma vida ultraconectada. A participação nesta série mudou a maneira como você usa as redes?

 Na verdade, essa ficção confirmou apenas o que eu já sabia, porque tenho perfis sociais desde que estava fazendo ‘Pretty Little Liars’ e, ao longo dos anos e experiência, descobri o que posso compartilhar e o que não. E isso não é algo que nos afeta exclusivamente às celebridades, pode acontecer a qualquer pessoa. Você deve ter cuidado, não apenas pela sua privacidade, mas também pela sua segurança, conforme refletido em “YOU”. Os jovens precisam saber que tudo o que sobe estará lá para sempre, mesmo que você o apague: depois de pressionar o botão, não há como voltar atrás.

Mas você compartilha muitos aspectos de sua vida pessoal. Como você se protege?

 Eu nunca posto em tempo real algo que possa indicar minha localização e acho que todos deveriam fazer o mesmo para evitar sustos. É importante ter sempre em mente que não há necessidade de contar tudo sobre sua vida e o que você o faz, a menos que não seja vivo. Além disso, hoje quase todos os currículos incluem um “link” para perfis sociais, para que muitas pessoas possam acompanhá-lo e ver seu histórico completo de publicações.

 Com quais novos projetos você nos surpreenderá em 2020?

Deixe-me pensar (dúvida). A verdade é que eu poderia lançar um disco amanhã ou ir para o espaço (risos). Faço o que quero a cada momento e é possível que amanhã tenha vontade de fazer outra coisa. Como eu disse antes, o céu não é o limite. 

 

Fonte: Cosmopolitan España

Tradução: ButtahBenzo Brasil